Apre! Saúda “dia internacional das pessoas mais velhas”

24

É urgente garantir os direitos humanos em todas as idades

No dia 1 de outubro, celebra-se em todo o mundo o Dia Internacional das Pessoas mais Velhas, procla-mado pela Assembleia Geral das Nações Unidas em 1990.

Nesta data simbólica, e no rescaldo de um ato eleitoral que conduziu à renovação dos órgãos do Poder Autárquico, a APRe! salienta a necessidade de políticas sociais públicas de maior proteção das pessoas mais velhas, no sentido de garantir que os seus direitos fundamentais sejam assegurados.

É também o momento de destacar o papel essencial que as pessoas mais velhas autónomas são capazes de desempenhar na promoção da sua própria saúde e na de toda a comunidade, bem como na construção de um forte intercâmbio de experiências e de saberes entre diferentes gerações.

Está a decorrer, entretanto, a “Década do envelhecimento saudável” (2021 – 2030), instituída pelas Nações Unidas como uma ocasião para reunir contributos de especialistas, dos governos, de profissionais da saúde e de toda a sociedade, com vista ao desenvolvimento desta estratégia mundial que visa conjugar o envelhecimento e a saúde.

No atual contexto, trata-se ainda de melhorar a compreensão do impacto da COVID-19 sobre as pessoas mais velhas e de estudar e aplicar as medidas políticas necessárias à melhoria dos cuidados de saúde.

A APRe! reafirma a sua preocupação com o risco acrescido de pobreza, discriminação e isolamento que recai sobre as pessoas mais velhas e empenhar-se-á na procura das soluções que permitam reverter tais situações. Em simultâneo, perante a complexa realidade vivida, neste momento, pela população de reformados e pensionistas tentará definir as melhores soluções e defendê-las com firmeza junto dos órgãos competentes.

A APRe! saúda o “Dia Internacional das Pessoas mais Velhas”, deixa uma palavra de estímulo e esperança em tempos melhores a todas as pessoas mais velhas – em especial, as suas associadas – e, mais uma vez, lembra o importante e irrenunciável princípio: o que é sobre os mais velhos tem de ser decidido com os mais velhos.