Alma Molhada

2

“ABATA-SE AO EFECTIVO”

Há uma “morrinha” em Portugal, que nos deixa a alma “molhada”. 
O País está sem sol e Portugal sem sol, é triste e sem graça! 
O ar é húmido e pegajoso. Cinzento e cola-se-nos à pele. 
Por incrível que pareça, este bem que é o astro-rei não é tributável. Ainda! 
Este é o tempo das aves de rapina. A seu tempo, ou melhor, na continuação deste tempo essas “aves” inventarão novas formas de maltratar, ainda mais, toda uma geração já tão sacrificada, retirando-lhes assim o seu direito ao descanso e dignidade. 
Uma geração não pode sustentar uma Nação. 
Alguém disse, com sabor de tragicomédia, que a nossa geração, com respeito por todas as outras, é uma geração “entalada”. 
Por um lado, devemos respeito e amor aos nossos pais, e, por isso, somos convocados para os amparar; por outro, temos obrigações para com os nossos filhos e, alguns de nós, também para com os netos, de lhes “dar a mão” no meio deste “oceano” de desemprego e de falta de primeiro emprego. 
Sem dúvida, que nos substituímos ao Estado, nestas situações, e, como “compensação”, o mesmo Estado subtrai os nossos rendimentos. 
Olha o Fado!, parafraseando Fausto Bordalo Dias. 
Em síntese, pagámos antes, pagamos durante e pagaremos sempre! E a seguir, pede-nos o Estado: façam o favor de morrer! 
Antes e durante, porque nos obrigaram a descontar para garantirmos a nossa reforma e dignidade; para sempre, por dever solidário para com o nosso País em crise e também com as gerações futuras. 
Dever solidário, que este Estado não conhece. 
Em entrevista ao Expresso, de 26/01/2013, o antigo Presidente da República, Ramalho Eanes, afirma: “não se pode estar a descontar 40 anos, com base num acordo de boa-fé com o Estado, e depois este vir dizer que já não o pode cumprir.” 
É um Estado de vergonha! 
Todos nos indignámos com as declarações recentes do Ministro Japonês das Finanças, que afirmou que a sustentabilidade do Sistema de Segurança Social só seria viável, se os idosos se “deixassem morrer depressa”. Será que é muito diferente o que se passa em Portugal? Não estaremos por cá a desenvolver um embrião de eutanásia social? 
A ser assim, digam que eu morri e abatam-me ao efectivo!

Maria do Céu Condez Alves
(Associada da APRe!)