APReABRIL

0

“APReABRIL” – Edição comemorativa dos “40 anos do 25 de Abril”

“APRe!” – “ABRIL sempre!” 

(iniciativa do “Grupo dos Associados” da “APRe!” no “Facebook”)

A Direcção da “APRe!” convidou todos os associados a associarem-se a esta iniciativa, que seria evocação nossa – e forma especial de se comemorar este ano a data.
O convite foi feito, no próprio “Grupo”, nestes termos:
“Completam-se este ano 40 anos sobre o 25 de Abril. Por ser data redonda, a “APRe!” pretende comemorá-la dignamente. 
Este ano, teve a administração do “Grupo de Associados da APRe!” do “Facebook” a ideia de os festejar também de outro modo – se os associados nisso convierem. Aqui vos deixamos o convite – que é também um desafio.
Fazemos parte da geração de Abril. Quanto mais essa data de nós se afasta, mais obrigação temos de a fazer lembrar – e de deixar dela testemunho. Quem, vivendo antes, teve consciência dos mecanismos em que assentava a ditadura, tem o dever de o passar às gerações seguintes. Os mais jovens, sem essa memória, não fazem ideia do que era a vida em Portugal – e também por isso será fácil verificar como, ainda hoje, tal qual dantes, muitos males são fruto da situação de menoridade cívica do país. Um país que viera de uma longa noite em que não havia o mínimo de respeito pelos direitos humanos.
Desse marco entre um passado cinzento e um regime de liberdades e direitos há que falar – sempre. Agora, por maioria de razões: porque ao idealismo e à generosidade de então se contrapôs este tempo de agora: o da negação dos “ideais de Abril” – o de um capitalismo que endeusa os “mercados”, o de um egoísmo feroz, o da negação da solidariedade social, o da destruição do “Estado social” que o 25 de Abril nos trouxe. 
O 25 de Abril significou democracia – e esta nunca está cumprida: porque é aspiração a um mundo humanamente mais digno e solidário.
E que tal deixarmos textos nossos como testemunho? Temos, entre nós, companheiros que estavam, à data, nas Forças Armadas; nas universidades; nas empresas e nas fábricas; em organizações clandestinas; no combate à ditadura; e também, com certeza, quem nem se apercebesse, dada a falta de consciência política em que muitos viviam, do que significava – receando porventura o que viesse. Quem gostar de escrever está convidado”.
Foram acolhidos os textos que foram chegando e revistos pela administração do “Grupo” (no maior respeito pelas opções dos autores, nomeadamente quanto à norma ortográfica), no sentido de somar, à divulgação pelos diversos canais da “APRe!” (“Facebook” e blogue) uma edição em papel, em moldes muito simples e com o menor custo.
Ela aqui está. Projectada para este dia, para nós tão significativo, será agora divulgada.
Uma boa pequena surpresa – obra de cada um daqueles que colaboraram, fruto da sua boa-vontade; e uma boa memória de Abril, com certeza para todos os outros associados.
Os exemplares estão agora disponíveis para os núcleos, que os podem encomendar junto das sedes das delegações do Porto, Coimbra ou Lisboa.
Esta iniciativa sublinha a presença da “APRe!” nas comemorações dos 40 anos do 25 de Abril. A evocação cabe-nos, antes de mais, a nós – aos que o fizeram e viveram.
Festejaremos. Estamos vivos – e temos memória