Cabelos Brancos

14

Excelentíssima Senhora 

Presidente da Assembleia da República Portuguesa 
Tomei conhecimento de um artigo jornalístico da autoria do deputado António Carlos Sousa Gomes da Silva Peixoto, inserto no jornal ionline, com o título “Um Portugal de cabelos brancos”, datado de 10 de Janeiro passado. 
O referido artigo, que junto em anexo para seu conhecimento, procura, de uma maneira ligeira e claramente pouco fundamentada, catalogar como essencialmente nacional uma evidência que se verifica na maioria dos países mais desenvolvidos e que naturalmente o torna absolutamente irrelevante – o facto de a esperança média de vida estar a aumentar, a natalidade a descer e suas consequências no futuro da sociedade portuguesa. 
Não fora o caso de o mesmo ter sido assinado não a título individual e pessoal por Carlos Peixoto, mas sim na qualidade de «Advogado e deputado do PSD» e o referido artigo nem me mereceria qualquer referência face à fraca qualidade do mesmo e desastrada interpretação e manipulação de dados estatísticos cuja fiabilidade não é confirmada pelos mais importantes organismos internacionais. Não sendo este o foro competente para os corrigir, terá da minha parte os devidos esclarecimentos pela via apropriada. 
Contudo, a qualidade em que assinou o seu artigo confere-lhe, ou deveria naturalmente conferir-lhe, uma responsabilidade acrescida no que se refere à defesa do bom nome da Assembleia da República, para a qual foi eleito como representante de parte dos cidadãos portugueses, através da obrigação de observar os princípios éticos que a sua função impõe. 
E é em relação a este ponto que, no meu entender, o Sr. Deputado em causa infringiu todas a regras de bom senso e de consideração pelos cidadãos portugueses de mais idade ao referir-se aos mesmos, no seu artigo, através da inaceitável seguinte frase do seu texto “A nossa pátria foi contaminada com a já conhecida peste grisalha.” 
Tal frase, que por si só justifica a minha mais veemente indignação e repúdio, é agravada pelo facto de o Sr. Deputado integrar, como efectivo, a Comissão Parlamentar de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias, cuja missão inscrita no próprio site da AR cito seguidamente nos aspectos que considero mais relevantes para a presente situação: 
“A Comissão Parlamentar de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias exerce atribuições constitucionais, legislativas e de fiscalização (…) no âmbito dos assuntos constitucionais, direitos fundamentais, justiça, (…), direitos humanos, legislação eleitoral e igualdade, (…).” 
Assim, é por demais evidente que o Deputado em causa, estando obrigado a defender estes princípios, por inerência dos cargos que desempenha, incorreu claramente na violação de preceitos constitucionais nacionais aos quais se encontra obrigado, nomeadamente no que se refere ao nº 1 do Artº 26º (…direito ao bom nome e reputação…à protecção legal contra quaisquer formas de discriminação) da Constituição da República Portuguesa, bem como de outros preceitos inscritos em normas europeias que o Estado Português subscreveu, nomeadamente no que se refere ao Direito das Pessoas Idosas consignado no Artº 25º da Carta dos Direitos Fundamentais da União Europeia, direito esse que não é compatível com a estigmatização dos cidadãos em causa através da sua afirmação acima citada. 
Acresce a violação do Artº 3º do Tratado da União Europeia, bem como do Artº 7º da Declaração Universal dos Direitos Humanos, que se transcreve seguidamente com o devido sublinhado: 
“Todos são iguais perante a lei e, sem distinção, têm direito a igual protecção da lei. Todos têm direito a protecção igual contra qualquer discriminação que viole a presente Declaração e contra qualquer incitamento a tal discriminação.” 
E é claro, no texto em apreço da autoria do Deputado Carlos Peixoto, o incitamento à discriminação daqueles a quem chama de «grisalhos», classificando-os como uma “peste”, à semelhança da pandemia que varreu a Europa Medieval e que conduziu à morte de cerca de um terço da sua população da altura e ao estigma de todos os que por ela eram afectados e que, por esse facto, eram afastados do convívio social através da sua expulsão para guetos. 
Isto numa altura em que a Comunidade Europeia decidiu designar 2012 como “O Ano Europeu Para o Envelhecimento Activo e de Solidariedade Entre Gerações”, com o propósito de criar uma cultura de envelhecimento activo na Europa, baseada numa sociedade para todas as idades (Council EPSCO; doc. 16592/12 SOC 948 SAN 289). 
Assim, tendo em atenção o que acima foi exposto e a gravidade da situação criada, a qual verifico estar a suscitar o maior repúdio da maioria dos mais de três milhões de cidadãos visados – aposentados, pensionistas e reformados, quer ao nível dos media quer mesmo em comunicações a título particular, venho solicitar a Vossa Excelência que o assunto motivo desta carta seja sujeito à apreciação da Comissão Parlamentar para a Ética, a Cidadania e a Comunicação. 
Agradecendo desde já a atenção dispensada, subscrevo-me atentamente 
Carlos Ponce 
Pensionista grisalho do CNP