Carta Aberta à Troika

1

APRe!
CARTA ABERTA À TROIKA
(EU*FMI*BCE)
      
CarosSenhores,
     
      Quasenão temos República, quase já só temos gente pobre em crise.
      A vossa incompetenteintervenção na política económica do nosso país é retrógrada e abusiva para um povo com 870 anos de história. Nãotêm o direito de nos impor um modelo económico que o povo não escolheu e nemsequer foram eleitos para reformarem o que quer que fosse.
    Resistimos a «governantes» que traíram ovoto do povo e que violam reiteradamente a Constituição, logo não têmlegitimidade democrática.
    Nós, pensionistas, estamos a ser triturados como«gorduras do Estado», recebendo pensões dependentes da vontade do «senhor» enão da lei aprovada democraticamente.
    Querem reciclar o Estado social, um dosmais débeis da Europa, porque não contribui para a melhoria da Balança de Pagamentosda Alemanha, ao invés dos submarinos e porventura do equipamento ferroviário. Queremconvencer-nos que não temos dinheiro para esse “luxo”, quando nós sabemos que étudo uma questão de prioridade na afectação dos nossos recursos. O Estadosocial é pago com os nossos impostos e taxas para a segurança social. Os vossoscaros empréstimos vão directamente para os bancos (BPN, BANIF), para asparcerias público-privadas e para os gabinetes dos advogados e das consultoras.
   Conhecemos a vossa obsoleta ortodoxialiberal e sabemos que após o Estado social, seguir-se-ia a destruição daAdministração Pública, abrindo caminho à sua privatização, passando para gruposeconómicos sedentos de rendas públicas.
    CarosSenhores, está na hora de ganharem um novo pensamento político e deconfiarem nos portugueses que dispensam as vossas visitas trimestrais (afinalnão somos parceiros?) e creiam que somos um povo de pessoas sérias e honradas quegosta de pertencer à Europa, mas não a esta Europa.
  APRe! merecemos melhor sorte.
Portugal,em Fevereiro de 2013
Pel’A APRe!
Carlos Frade e  Maria do Rosário Gama