Crise Académica de Coimbra de 1969

8

A APRe! Evocou a Crise Académica de Coimbra de 1969. No passado dia 22 de Abril, entre as 17h00 e as 19h00. Na sua Sede nacional, em Coimbra. Foram 40 os participantes. Na primeira hora o nosso convidado, Cidadão José Dias – estudante na Faculdade de Ciências de 1968 a 1970, onde foi militante e dirigente da Acção Católica (CADC) e da Associação Académica de Coimbra (Junta de Delegados + Comissão Técnica + Direcção de 1970) animou a nossa iniciativa com algumas das seguintes reflexões:
A. Influenciaram a Crise Académica
. A Candidatura presidencial de Humberto Delgado em 1958
. A Carta a Salazar do Bispo do Porto António Ferreira Gomes em 1958
. A Guerra Colonial desde 1961
. A Crise Académica de 1962
. A Cise Académica de 1965
. O Concílio Vaticano II 1962 a 1965
. O Maio de 68
. A morte de Salazar
. entre outros
B. A Crise Académica dura de 1968 a 1971
. A importância das Juntas de Delegados
. A cumplicidade entre estudantes politizados e não
. A participação das mulheres
. A emergência dos católicos progressistas
. O impacto nas famílias
. O apoio de Cidadãos não estudantes
. A repressão alimenta a acção
. O acervo documental e icónico
. A propaganda estudantil era muito forte
C. Influenciou
. O II Congresso Republicano de Aveiro nesse ano Maio
. As listas CDE, CEUD, de Unidade Democrática em Outubro desse ano
. A entrada de jovens estudantes milicianos no serviço militar politizando os oficiais do quadro permanente
. O nascimento de uma corrente trotsquista
. A libertação sexual de tantas e tantos
. O relacionamento aberto entre as 3 Academias (Porto – Coimbra – Lisboa)
. A formação cívica dos baby boomers da classe média
Na segunda hora, 12 dos participantes falaram das suas experiências pessoais vividas nesses anos, em Coimbra, em Portugal, em África. Num ambiente sereno e familiar própria da Tertúlia convocada.
Todos saímos com a convicção da excelência da iniciativa para que todos contribuíram.

A Comissão Local de Dinamizadores do Núcleo de Coimbra, da APRe!