Pausa

1
Homenagem à memória de Adriano Correia de Oliveira 
que hoje, se fosse vivo, completaria 72 anos de idade

***//***

Cantar de Emigração. Tão actual como há 50 anos.

Música: José Niza
Letra: Rosalía de Castro, poetisa galega
Este parte, 
aquele parte
E todos, todos se vão
Galiza ficas sem homens
Que possam cortar teu pão
Tens em troca
órfãos e órfãs
tens campos de solidão
tens mães que não têm filhos
filhos que não têm pai 
Coração
que tens e sofres
longas ausências mortais
viúvas de vivos mortos
que ninguém consolará
Este parte, 
aquele parte
E todos, todos se vão
Galiza ficas sem homens
Que possam cortar teu pão
aquele parte
E todos, todos se vão
Galiza ficas sem homens
Que possam cortar teu pão
Tens em troca
órfãos e órfãs
tens campos de solidão
tens mães que não têm filhos
filhos que não têm pai 
Coração
que tens e sofres
longas ausências mortais
viúvas de vivos mortos
que ninguém consolará
Este parte, 
aquele parte
E todos, todos se vão
Galiza ficas sem homens
Que possam cortar teu pão
Este parte, 
aquele parte
E todos, todos se vão
Galiza ficas sem homens
Que possam cortar teu pão
Tens em troca
órfãos e órfãs
tens campos de solidão
tens mães que não têm filhos
filhos que não têm pai 
Coração
que tens e sofres
longas ausências mortais
viúvas de vivos mortos
que ninguém consolará
Este parte, 
aquele parte
E todos, todos se vão
Galiza ficas sem homens
Que possam cortar teu pão