Quem nunca pediu alívio no Natal que atire a primeira pedra

31

 

Filipe Luís-Editor Executivo
O Governo tem sido criticado por políticos e comentadores, por ter facilitado no Natal. Vejam o que eles disseram, nessa altura

“O problema foi o Natal. Dos debates parlamentares ao comentário político televisivo, a suspensão das medidas mais restritivas do estado de emergência, decretadas, pelo Governo, para quatro dias, durante o período natalicio, é o fator responsável pelo disparo do número de casos, internamentos e mortes por Covid-19. Mas será que houve vozes dissonantes, quando esse alívio de confinamento foi decretado? Ou o prognóstico só se fez, agora, no final do “jogo”?

Um dos mais criticos, na sua análise, na SIC, no passado domingo, foi Luís Marques Mendes. Ora, no seu programa de 6 de dezembro de 2020, Marques Mendes declarava-se genericamente de acordo com as medidas de levantamento  restrições, durante o Natal. É verdade que só a 14 de dezembro foram reportados os primeiros casos da variante inglesa e que mesmo antes disso, a 12, o comentador corrigia, parcialmente, o tiro, criticando “medidas contraditórias” – mas sem nunca pôr em causa algum alívio do estado de emergência.Noutros programa de comentário político, na SIC, como o Eixo do Mal, só Luís Pedro Nunes avisou para os riscos da abertura: “A noite de Natal pode provocar 800 mortes. Se carregassemos dois ou três airbus sabendo que se iam despenhar ali à frente, ninguém tomaria essa decisão…” Mas Daniel Oliveira lembrava que não valia a pena “proibir as pessoas de se encontrarem: “Elas fá-lo-ão à mesma”. Tanto neste programa como no do “Governo Sombra”, as palavras do sub-diretor-geral da saúde, Rui Portugal, que recomendava “uma compota” oferecida no “patamar da escada, com o devido distanciamento”, eram inapelavelmente ridicularizadas. Mesmo tendo em conta a figura e o inusitado da “mensagem”, ninguém reconheceu  um fundo de alarme nos atabalhoados avisos daquele responsável.

Várias frases pronunciadas pelos vários políticos:

                      “Compreendo que o Governo possa vir a decretar para o Natal uma situação de menor     rigor. As pessoas estão muito martirizadas”

Rui Rio, dezembro de 2020

 

“As Festas são, para a restauração, hotelaria e turismo, uma das poucas oportunidades

 André ventura, 16 de dezembro

 

 “Deixem as pessoas desfrutar deste momento”

Jerónimo de Sousa, 16 de dezembro

 

”  Já Catarina Martins sublinhava ser “importante” que as pessoas pudessem “tomar as suas decisões, para se encontrarem em família, no Natal”.

José Luís Ferreira, dos Verdes, afirmava que “algumas medidas [restritivas] que têm vindo a ser tomadas só têm contribuído para prejudicar”

Cotrim Figueiredo, da IL, dizia, também a 16 de dezembro – já com a variante inglesa no terreno… – não haver “alterações” no estado da pandemia, pelo que a sua opinião [pelo alívio das medidas] não tinha mudado.

Sílvio Cervan, do CDS “Se a realidade exigir medidas diferentes, temos de saber tomá-las, no sentido positivo ou negativo”

 

Ler mais aqui: https://visao.sapo.pt/opiniao/ponto-de-vista/2021-02-01-quem-nunca-pediu-alivio-no-natal-que-atire-a-primeira-pedra