Quintas na Quinta

0

Bagão Felix em Coimbra

Na excelente conferência que Bagão Félix proferiu em Coimbra a sala de jantar estava cheia, mas cerca de 30% da sua capacidade era ocupada por Associados da APRe!
No período de “perguntas e respostas” pediram a palavra para questionar o Dr. Bagão Félix a nossa Coordenadora Rosário Gama, a Eduarda Neves da Comissão Instaladora e o Associado de Lisboa Carlos Frade.
Rosário Gama formulou as questões principais sobre o “massacre” que está a ser feito aos Aposentados e Reformados, sobre todos os seus aspectos e cujas posições públicas são de todos conhecidas, sublinhando as diligências que a APRe! tem feito também na área internacional . As questões mereceram da parte do conferencista uma resposta clara e generalizada, revelando conhecer bem a APRe! e formulando publicamente os maiores votos de felicidades à APRe! e aos êxitos da sua acção.
Eduarda Neves questionou o Dr. Bagão Félix para que opinasse sobre o critério adoptado pelo Estado em ter suspendido as reformas antecipadas no sector privado e simultaneamente ter criado “incentivos” a uma corrida no passado ano às reformas através da CGA. A sua resposta foi dada de uma forma clara e tecnicamente incontestável, criticando tal medida pela falta de coerência e pela ineficiênca da mesma.
Carlos Frade pretendeu que o convidado do jantar se pronunciasse sobre um valor estimado que deveria existir num fundo de sustentabilidade da CGA no valor aproximado de 12 mil milhões de Euros e que resultaria das contribuições que o Estado ao longo dos anos nunca fez para aquele Organismo. Ou seja…. O Estado mau pagador enquanto “patrão”. O Dr. Bagão Félix comungou da opinião do nosso Associado e admitiu que esse valor poderia ser correcto.
O orador teve uma participação brilhante durante toda a sua intervenção , revelando profundos conhecimentos técnicos, predicados pessoais de humanismo e verdadeiro sentido de ética!
Ficou na memória a sua frase que aqui reproduzo “O ESTADO TEM DE SE DAR AO RESPEITO”…. 
Também achamos que sim……. Se QUER SER RESPEITADO……”
Fernando Martins