Teresa Rio

0
MENSAGEM PARA 2014 
A APRe! nasceu baseada em objectivos nobres e necessários no nosso país: proteger os direitos da população idosa que ao longo da sua vida trabalhou e despertá-la para o exercício da sua plena cidadania! Não é, portanto, uma associação vocacionada para o assistencialismo ou para aspectos lúdicos, que não rejeita, mas que não estão no âmbito das suas principais preocupações.
O aparecimento da APRe! só foi possível pela iniciativa generosa da Drª Maria do Rosário Gama a que se associou um conjunto de cidadãos sénior. A força da energia e do entusiasmo de todos, sobretudo da Rosário, sempre em cima dos acontecimentos e que pratica “o milagre das horas” (os seus dias têm 48, 72 ….enfim as horas que forem necessárias) conseguiu por de pé , em pouco tempo a realidade que hoje é a APRe!
A APRe! constitui um avanço civilizacional precioso, pois apesar de haver muitas associações de reformados, poucas em Portugal e até no mundo pretendem representar os reformados nos seus interesses e direitos.
Desde sempre que me lembro de conhecer pessoas que tiveram vidas esplendorosas e velhices miseráveis. Inclusivamente a lei das rendas praticada no Estado Novo não as deixava aumentar obrigando muitos senhorios a fazerem segurança social à força, para se poderem manter pensões a níveis muito baixos, o que infelizmente ainda hoje acontece; pretendia o Estado que, pelo menos, o tecto fosse assegurado, muitas vezes em situação de grande degradação. Entretanto e porque não havia pensões de sobrevivência generalizadas, uma maneira de garantir o futuro na velhice era empregar a poupança de uma vida na compra de uma casa para arrendar o que muitos homens faziam para deixar às suas viúvas que, muitas vezes, acabavam a vida mais pobres que os seus inquilinos.
Ao longo dos tempos na maioria das civilizações sempre houve tendência para marginalizar e até eliminar os idosos para lhes ficar com os bens. Sempre houve cálculos sobre heranças, enganos e chantagens a velhotes em lares e muitas vezes no seio das suas próprias famílias.
Parecia que com os sistemas de Segurança Social instalados este tipo de perigos tinha passado, mas verificamos, pela actuação deste governo que não passou e que, em presença de dificuldades, caiem em cima dos mais velhos. O nosso actual governo é exemplo disso e fá-lo sem o mínimo pudor porque é fácil e apesar das qualificações que apregoa, não me parece que saiba sequer o que é fazer uma reforma do Estado . Podemos considerá-lo, neste momento, o maior inimigo dos idosos. Deus permita que possa fazer uma reflexão profunda e inverter o rumo! 
É por isso que a APRe! ao iniciar um processo de defesa dos mais velhos pode ajudar a reverter esta situação e nesse sentido é preciosa e constitui efectivamente um avanço civilizacional.
Por isso, todos nós associados da APRe! devemos vê-la assim e fugir à tentação de a ver como uma ocupação para o tempo livre que possamos ter pela circunstância de já sermos reformados.
Todos nós devemos olhar para a APRe! no sentido de a ajudar a construir, mas com a humildade suficiente para não nos convencermos que sabemos muito mais que os outros. Saberemos nuns aspectos, mas não noutros. 
Todos nós, associados da APRe! devemos compreender que fizemos percursos diferentes, que temos competências diferentes, ideologias diferentes e que pertencemos a mundos diferentes, mas que, apesar disso a Vida nos deu uma sabedoria que devemos utilizar nesta Causa que é a nossa e afinal a de todos, porque mais tarde ou mais cedo a maior parte das pessoas chegará às nossas idades. 
A nossa é também a idade da serenidade e da compreensão. Treinemos estes dois estados de alma para bem de nós todos. Façamos um esforço, AMIGOS, para sermos Grandes em tudo porque só assim a APRE! conseguirá atingir os objectivos que nós próprios traçamos para a Sua Acção
Oxalá 2014 seja, para nós todos, melhor do que aquilo que esperamos!!!
Teresa Rio Carvalho – Directora da APRe!