Vamos envelhecer juntos? Cohousing dá os primeiros passos em Portugal

126

A “habitação colaborativa sénior”, uma “espécie de república”, mas com regras e serviços de apoio partilhados, pode ser uma alternativa aos lares de idosos e à fatalidade de os mais velhos viverem sozinhos.

Exemplos de habitação partilhada em Portugal

Em Portugal são poucas as iniciativas conhecidas de cohousing, mas há uma em Águeda, já com meia dúzia de anos, fundada por uma instituição particular de solidariedade social, “Os pioneiros”, que, em 2012, criou em uma “aldeia sénior”, hoje com 18 idosos, que vivem num aglomerado de pequenas casas, com o apoio de profissionais.

Mas há vários projectos a germinar. A Santa Casa de Misericórdia do Porto (SCMP) tem dois: um que passa pela recuperação e reabilitação de “um antigo bairro destinado a mulheres viúvas” e outro, “um núcleo muito restrito”, a instalar num imóvel da instituição, dentro de um ano e meio. “Poderá revelar-se uma boa aplicação prática deste modelo e servir para provar à população que é possível”, explicou o provedor da SCMP, António Tavares, na conferência desta sexta-feira, no Porto.

Em Lisboa, segundo Paula Marques, vereadora da autarquia, há um projecto com este espírito que já tem dois anos: um equipamento “intergeracional” instalado no Bairro Padre Cruz, que inclui “creches e espaços de acompanhamento de jovens” no rés-do-chão e residências assistidas nos andares de cima, apenas para idosos com autonomia. O projecto foi promovido pela Câmara Municipal de Lisboa e é gerido pela Santa Casa da Misericórdia da capital.

No encontro, Guilherme Vilaverde, da Fenache (Federação Nacional das Cooperativas de Habitação Económica), adiantou que já se está, com algumas cooperativas, a idealizar vários projectos, mas é preciso “legislação e de financiamento”.

Ver mais aqui: https://www.publico.pt/2019/02/22/sociedade/noticia/vamos-envelhecer-juntos-cohousing-passos-portugal-1863102?fbclid=IwAR2khu70j3w0IxWWraLr0z8z2jOKDS